quarta-feira, 29 de junho de 2011

Meu melhor amigo, é gay. (p/ Wilson C.)

Meu melhor amigo é um homem. E é gay. Nunca vi ele, nem nunca o abracei. Mas eu sinto ele tão perto de mim, quanto as letras que digito agora. Meu melhor amigo, me diz verdades, e nunca me nega uma conversa. Eu nunca vi ele de mal humor, e se vi, ele nunca descontou a raiva em mim. Tenho certeza que ele nunca dará em cima do meu namorado, e nunca ficará com inveja de uma roupa minha. E tenho orgulho disso, tenho orgulho dele, tenho orgulho do meu amor por ele, e da nossa amizade. Meu melhor amigo é um homem. E é gay. E defendo ele com todas as minhas forças se necessário. Nunca deixarei ninguém o machucar. (...) Ele vai estar na primeira fila da igreja quando eu me casar. E também vai estar no batizado do meu filho. Meu melhor amigo, é gay. E é o melhor homem que eu já conheci.
Priscilla Martins, para Wilson C.
E até aqui, construímos coisas que ninguém será capaz de destruir. 
Eu não te troco, não te abandono, não te deixarei sofrer. 
Eu amo você, m.a! haha s2

________________________________________

  Você começa a se apaixonar por alguém, quando mesmo sem querer, pensa naquela pessoa a todo momento. É, eu sei. É uma frase bem clichê, mas é verdade. Você começa a imaginar o que ela está fazendo. Se ela está bem, ou se está precisando de você. E muitas vezes você se culpa, por não estar a todo momento ao lado dela.
  Você começa a se apaixonar por alguém, quando você coloca todos os seus sonhos nas mãos dela, e diz: cuide junto comigo?. É quando você confia, quando você respeita. E suas pernas tremem, seu corpo arrepia. Na sua barriga moram borboletas, e seu coração acelera. Outra frase clichê. E outro fato. Você é indefesa, e totalmente sensível, ao toque, à risada, ao abraço e à voz da pessoa. Você esquece de todos os problemas, quando ela está com você, e torna todos aqueles roteiros que você havia criado em sua mente, simples frases improvisadas, e completamente distorcidas, perto daquilo que você imaginou. Você não segue regras, nem padrões.
  Você começa a se apaixonar por alguém, quando junto com os seus sonhos, entrega àquela pessoa o seu coração inteiro. Quando você pega todos aqueles pedaços que outra pessoa quebrou e os junta, fazendo bater novamente, mas agora por alguém diferente. É quando você não liga pra cor, pra religião, nem pra condição ou posição social. Você fica cega, surda e muda. Você gosta, você cuida. E a partir desse momento, você tem certeza de que, se não for amor, é algo que ninguém nunca descobriu.
Priscilla Martins.


Mãe.

Minha mãe me ensinou, e ainda me ensina, a nunca ter vergonha de quem eu sou. Nem nunca negar ou esconder o que eu possuo. Mesmo que seja pouco. Minha mãe, sempre lutou. E ainda luta. Ela ainda corre. Não fica parada. Ela quer ter o que ela deseja. E nunca vi, minha mãe tentando desistir daquilo que ela quer. E mesmo que saia errado, mesmo que nada dê certo, ela sempre me aparece com um sorriso no rosto, e com a vontade de tentar mais uma vez. Minha mãe tem sonhos. Muitos sonhos. E eu espero, algum dia, poder realizá-los. Muita gente diz: ''Minha mãe, é a melhor mãe do mundo'', mas sei, que muitas não chegam perto disso. Minha mãe chega. Minha mãe alcança isso, ela passa disso. Sendo a melhor, não só como mãe, mas como mulher. E como exemplo pra mim, e pra todos que a cercam. E é por isso que eu digo, que mato e morro, pra vê-la feliz. Sabe por quê? Por que ela é minha mãe.
Priscilla Martins.


domingo, 19 de junho de 2011

Voem, borboletas!

É algo que se mexe. Aqui dentro, no estômago. Algo que parece parar em cada órgão e bater suas asas, pra que eles se manifestem, fazendo cada fio levantar-se, como se estivessem acordando de um estado de hibernação. Borboletas no estômago. Borboletas que voam sem parar. Não me incomodo, não me julgo. Elas entram ali, sem permissão. Elas entram aqui, sem dizer por que vieram. Sem mandar um telegrama dizendo que já estão chegando. São borboletas no estômago, que se mexem a cada vez que ouço a sua voz, como se fosse a música principal de um baile dançante. Um baile de borboletas. E sua risada, mesmo que às vezes, com um pouco de timidez. Ou minhas risadas. Um banquete para elas. O seu toque, em meu sonho, que vem à tona todas as noites, fazem elas dançarem, mais uma vez.
Priscilla Martins.

Conectar-me a você.

Neste momento não posso te tocar, não posso te ver, não posso cuidar de você. Ás vezes, quando meu pensamento corre até você, se o mundo fica em silêncio, posso escutar meu coração: rápido, forte e apertado. Quando você me encontra, mesmo que num sonho, meu mundo tem mais sentido, tem mais cor. Por vezes, consegui sentir você, conectar-me a você. Quero deixar nossos sonhos expostos novamente. Sonhos reais. Quero abrir meu coração, pra te mostrar, que o lugar mais bonito, mais iluminado e espaçoso, é você quem habita. E vai continuar, pra sempre.
Priscilla Martins.